Experimente sua própria singularidade e sinta-se em casa em qualquer lugar - Entrevista com May Ing Tan

Quer você seja uma mãe expatriada, imigrante, gay ou divorciada, todos nós somos diferentes. O mundo exterior espera que você se adapte. Faremos isso, porque temos uma necessidade natural de fazer parte da monocultura. Pecado! Ao me aceitar com todas as minhas particularidades, me sinto mais livre. Então, não importa mais onde eu moro e onde é minha casa, porque me sinto bem comigo mesmo onde quer que esteja. Eu volto para casa sozinha.

Mayt Ing Tan

Com isso, May Ing Tan resume brevemente as bases do Essence Coaching, curso em que ela é uma das principais professoras e para o qual pude contribuir em 2014 como co-formadora. O coaching é uma tendência na Holanda. Existem cerca de 40.000 treinadores na Holanda e mais e mais pessoas são temporariamente guiadas por um treinador. “Por que a necessidade de coaching é tão grande?”, Perguntei a ela em agosto de 2014.

Tan: Em nossa cultura, “não está feito” para investigar sua própria pessoa em profundidade. Assim, a terapia é destinada apenas àqueles que realmente têm um problema e precisam de ajuda para funcionar em nossa sociedade. O coaching é mais acessível porque se concentra no seu trabalho e na sua personalidade. Com o treinamento, você não procura o passado, mas começa a trabalhar com as coisas que encontra no aqui e agora. Isso se encaixa na necessidade atual de resultados rápidos, por um lado, e auto-realização, por outro.

Na Holanda, muitos funcionários são enviados a um coach pelo seu gerente porque não estão apresentando um desempenho ideal ou porque a organização espera algo diferente deles. Por exemplo, eles precisam se tornar mais assertivos ou colaborar melhor. A cultura corporativa anglicana exige muito de seus funcionários. O empregador paga pelo processo de coaching e, portanto, espera algo em troca: maior produtividade, melhor desempenho, lealdade. Isso se reflete nas entrevistas de avaliação anuais. Na Holanda, espera-se que você seja individualista, mas também se conforme com o resto e, portanto, se adapte ao suporte intermediário. Essa combinação exige muito do comportamento de alguém. O coaching pode ajudar a lidar melhor com isso.

Maio-ing-2

O termo "treinador" é usado para todos os tipos de aconselhamento pessoal, mesmo que alguém seja realmente um terapeuta, supervisor, consultor, conselheiro ou consultor. O que distingue o coaching Essence? Existem muitos treinadores que apenas "consertam" alguém, diz Tan. O treinamento em essência é diferente, porque você restaura a conexão de sua personalidade com sua paixão e sua origem. Tan, portanto, não trabalha com clientes dirigidos por seu chefe, que não funcionariam.

logo essência coaching

Tan explica: Você não pode evitar apenas sua personalidade. Mas em contato com sua origem você encontra respostas muito eficazes e muda rapidamente. Você não apenas muda seu comportamento, mas também encontra sua própria identidade única. Um estudante disse recentemente que sente o coaching Essence como algo muito leve: os insights o tocam profundamente enquanto você está resolvendo problemas básicos.

Um método típico de trabalho no coaching Essence é a “Experiência direta”. O que é isso? Bronzeado: Sentindo e pensando ao mesmo tempo, você fica mais no momento. Você sente o que está presente naquele momento, e não os pensamentos e emoções do passado. A experiência direta é um meio muito eficaz, porque o drama, a história, é omitido durante o sentimento. Por exemplo, Tan recentemente falou com alguém que estava fortemente convencido de algo e que sempre quis propagar isso. Isso consumiu muita energia. Eu perguntei: Apenas fique parado. O que você está experimentando agora? Ela disse: Quando fico parada, fico louca. Aparentemente ela estava com medo, ela evitou a dor. Se você parar por um momento, descobrirá que pode se sentir solitário ou que desenvolveu unilateralidade, por exemplo, por ter que ser muito forte.

web foto-maio-ing-2

Também trabalhamos muito com integração, diz Tan, por exemplo a integração do seu sentimento, do seu pensamento e da sua vontade. Ela conta sobre um gerente valioso que a procurou. Ela é uma mulher forte com uma aparência poderosa. Ao fazer uma pausa para refletir sobre o momento, ela percebeu que, na verdade, estava sempre sendo criticada por sua mãe e ainda estava se provando. Embora não haja razão para fazer isso agora. Sua vontade havia adquirido vida própria. Em termos de polaridades, sua mente se tornou mais dominante do que seu corpo, e sua metade masculina substituiu sua metade feminina. Através da integração você encontrará seu próprio centro e encontrará mais equilíbrio, em sua perpendicular. O lado mais suave desta mulher poderosa estava lá novamente. Desta forma, você não se desenvolve unilateralmente, mas se conecta com todos os seus potenciais dentro de você. Se você não sabe que está correndo desse jeito para se provar, continue. O insight significa que você pode decidir parar.

Maio Ing Tan e Lenne Gieles

May Ing Tan não é apenas inspirado por Lenne Gieles, fundadora da Essentiecoaching e autora do livro “Thuis”. Robert Quinn também a inspirou quando escreve sobre valores concorrentes. Ele usa combinações de palavras opostas que se complementam. Um exemplo dessa polaridade é a "liberdade responsável". Liberdade sem responsabilidade não funciona. Ele também fala sobre "amor duro", "estabelecer limites amorosamente" e "visão fundamentada". Se você unir essas polaridades, estará no meio e, dependendo da situação, poderá se mover mais para a esquerda ou mais para a direita. Isso lhe dá mais liberdade. Você não se torna mais dependente de comportamento padronizado. Você obtém mais controle sobre suas escolhas.

Robert Quinn

O coaching de essência é sempre sobre mudar a si mesmo e abrir suas próprias habilidades. Como May Ing estabeleceu a conexão entre sentir, pensar e querer? May Ing: “Na verdade, sou muito sensível, mas deixo o sentimento de lado em algum momento. Através da integração de pensamento e sentimento, recuperei minha força suave. Além de determinar e dirigir, agora também posso seguir mais, me divertir e aproveitar ao invés de precisar. Isso me deixa mais em contato com as pessoas. Ao mesmo tempo, sou mais capaz de tomar grandes decisões, porque tenho menos medo da minha própria força. Eu era muito mandona, mas ao mesmo tempo insegura. Uma noite, demorei muito tempo para reconhecer como eu era realmente mandona. Esse foi o meu primeiro passo para a integração. Agora sou menos mandona e mais confiante comigo mesma.

May Ing tinha quase 13 anos quando fugiram da Indonésia para a Alemanha. Ela conta sobre sua infância: Acabei na Holanda por causa de uma peregrinação. Tudo era estranho e eu não falava a língua. Mesmo assim, olhei para aquela coisa estranha de maneira diferente, porque sabia que iríamos morar aqui. Quando entramos na Holanda de trem, passamos por uma fileira de casas e fiquei muito surpreso com o quão pequenas as casas e os jardins eram. Que as pessoas pudessem viver tão juntas. Também notei o quanto as pessoas se beijaram na rua. Sexualidade e intimidade eram muito visíveis e públicas. Sua mãe a ensinou a explorar tudo novo. Ela a levou de ônibus, do começo ao fim. O motorista do ônibus disse: Você tem que sair. Mas minha mãe disse: não, estamos felizes em ir para o outro ponto final.

May Ing Tan ganhou muita experiência trabalhando com imigrantes, como expatriados e refugiados. Por exemplo, ela trabalhou no ISIS por mais de 10 anos. Esta organização se concentra na gestão da diversidade. Tan: Depois de tantos anos, sei que não há diferença alguma entre os holandeses e qualquer outra pessoa. Os holandeses também têm dificuldade com a própria falta de polidez, com a adaptação, com o rude.

Se você vem do exterior, leva algum tempo para se acostumar com esse comportamento e o uso da linguagem na Holanda é bastante rude e direto. Na época, seu pai ficou muito afetado com isso. Aprendi que era melhor fechar meu lado suave. Como todos os outros holandeses. Isso foi bom para sua carreira, mas ela também perdeu uma parte de si mesma. Que mensagem de Ing aos imigrantes: permaneça fiel a si mesmo e fique conectado. Não desanime com a aspereza e franqueza ou se for rejeitado pelo outro. Tente se conectar com outras pessoas, mesmo que seja difícil no início. A outra pessoa pode manter distância porque você parece diferente. Não se intimide com isso, apenas mantenha contato. Estou ficando mais tolerante com o fato de que todo mundo fica perguntando: de onde você é? Essa também é uma maneira de outras pessoas se conectarem.

Meu desejo é que se torne mais comum na Holanda falar sobre ser um holandês chinês ou um holandês de Brabante. E veremos o quão valiosa é cada contribuição única para a nossa sociedade. Se todos puderem ser eles mesmos e se desenvolver plenamente, a Holanda se tornará um país ainda melhor, onde você pode ser apenas uma pessoa.

Publicadas por

Tijs

Tijs Breuer tem 49 anos, é personal coach, body worker e massagista credenciado. O coaching essencial visa levá-lo ao âmago de quem você realmente é. Tijs trabalha com atenção pessoal, toque e presença. Ajuda você a se sentir melhor consigo mesmo.

Dê uma resposta

O endereço de email não será publicado.

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Veja como seus dados de resposta são processados.